quarta-feira

Narizinho Arrebitado - 1921


Esta é a edição escolar da história de Narizinho, e merece ser contada pois é ilustrativa do idealismo e impetuosidade de Lobato.

Empolgado com seu sucesso como escritor e a surpreendente saída de seus livros, Lobato resolve arriscar no livro escolar, sem dúvida o maior filão do mercado editorial.

Certamente superestimando sua fama, refundiu "A Menina do Narizinho Arrebitado", encomendou uma edição de custo menor, sem gravuras coloridas, em papel jornal. Porém, ao invés de imprimir 5 ou 10 mil exemplares, o que já seria uma tiragem extremamente alta para a época, num arroubo manda fazer 50500 exemplares!

Assustado com os "narizes" que encheram o escritório da Revista, os depósitos e até o porão de sua casa, Lobato toma 500 livrinhos e manda distribuir aos colégios paulistas. Como ele mesmo confessava depois, existe um deus para os bêbados e os inocentes: numa visita de inspeção escolar, o então governador Washington Luiz fica intrigado com o interesse das crianças em um livrinho gasto de tanto ser manuseado.

Manda o secretário Alarico Silveira encontrar o autor e fazer uma compra para todos os colégios do estado. Pois foi o que fez Alarico: ligou para Lobato e disse que o Governo queria comprar "Narizinho"; perguntado sobre a quantidade e informado que o estoque era imenso, o secretário pilheriou: "Ora, mande aí uns trinta mil."

Pois no dia seguinte um aturdido Alarico ligava para Lobato, dizendo que não tinha onde colocar tantos livros, que achava que o escritor estava blefando.

Foi assim que em poucos meses a "avalanche nasal" se esgotou, deixando um belo lucro ao intrépido editor.

2 comentários:

  1. e uma maravilha , eu nao intendi nadaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa !! mew tem coisa mais importante

    ResponderExcluir